Search
  • PROMIGRAS

CUIDADOS SEM FRONTEIRAS: Mulheres imigrantes bolivianas, maternagem e saúde na Grande São Paulo.

Tese de doutorado de Samantha Lynn Serrano.



O objetivo do presente estudo é descrever e analisar as experiências de mulheres imigrantes bolivianas na Grande São Paulo, Brasil, na maternagem e nos cuidados em saúde pessoais e de suas famílias. O estudo aborda questões de gênero, raça, classe, maternidade, migração, interseccionalidade, trabalho em cuidado, trabalho e saúde, e acesso a cuidados em saúde deste grupo marginalizado. Nesta etnografia, a pesquisa de campo abrangeu trabalho voluntário em três instituições promovendo a integração de imigrantes na Grande São Paulo e/ou fornecendo serviços dirigidos a imigrantes bolivianas; o acompanhamento de rodas de conversa de mulheres imigrantes; o acompanhamento de interlocutoras nas suas próprias consultas médicas e em consultas para seus filhos; entrevistas semiestruturadas em profundidade com nove interlocutoras; e um grupo focal com oito mulheres imigrantes bolivianas na periferia de São Paulo. Os assuntos emergentes da pesquisa foram separados em quatro temas: a busca para cuidar da saúde dentro e fora do SUS; saúde e a maternagem; a espera no SUS e o tempo das mulheres imigrantes; e violência cotidiana e saúde. O estudo revela a importância de estratégias de integração de mulheres imigrantes bolivianas no SUS (que promoveria a integração da família toda) com um foco em trabalhadoras em oficinas de costura. Ficaram evidentes o isolamento e as condições precárias frequentemente enfrentadas nesta situação de trabalho/ moradia, altas taxas de violência e corporalidades diferentes de tempo e espaço. Esse trabalho conclui que além das barreiras linguísticas e culturais para acesso a cuidados em saúde no SUS, mulheres imigrantes bolivianas enfrentam os obstáculos frequentemente enfrentados por usuárias brasileiras também, entretanto as experiências desse grupo social com estas barreiras são profundamente impactadas por suas posicionalidades estruturalmente vulneráveis.

8 views